Categoria Notícias

pordefesacivil

Treinamento para atuação contra queimadas conta com aulas teóricas e práticas e já capacitou 369 pessoas

Treinamento inclui aulas de localização na mata, manejo de vítima e rapel

Divulgação/Prefeitura de Niterói

Você sabia que a cidade de Niterói tem um programa contra queimadas? E que você pode se tornar um voluntário do Núcleo de Defesa Civil (Nudec) Queimadas? O órgão municipal oferece, gratuitamente, um curso com aulas teóricas e práticas, que tem como objetivo capacitar os participantes para atuar em apoio à instituição e ao Corpo de Bombeiros, denunciando focos de incêndio e a soltura de balões. Desde 2014, já foram capacitados 369 voluntários.

O secretário municipal de Defesa Civil tenente-coronel Walace Medeiros alerta que as queimadas representam uma questão muito nociva para o município, principalmente nos meses de festas juninas, que também são caracterizados pelo clima seco e ausência de chuvas.

PUBLICIDADE

“No trabalho de combate a queimadas, a Defesa Civil também realiza a ronda preventiva uma vez por mês em bairros de Niterói. O grupo de trabalho é formado por agentes e voluntários da Defesa Civil, agentes da Guarda Ambiental e representantes da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, do Parque Estadual da Serra da Tiririca e da Companhia de Limpeza de Niterói (Clin)”, enfatiza Medeiros, ressaltando que provocar incêndio em vegetação, assim como soltar balão, é crime, e os responsáveis estão sujeitos a multa.

No último dia 15, aproximadamente 42 alunos do primeiro módulo do curso de capacitação realizado pela Defesa Civil de Niterói, que está em sua 6ª edição, participaram de um treinamento na Enseada do Bananal, no Parque Estadual Serra da Tiririca. Na atividade, eles tiveram aulas práticas de localização na mata com auxílio de bússola, manejo de vítima em local de difícil acesso, além de descida em rapel. Todo o trabalho é acompanhado de perto por técnicos da Defesa Civil, do Inea e de especialistas em primeiros socorros.
Durante o curso, são ensinadas noções básicas de defesa civil, ações preventivas, Gestão do Serviço do Voluntário sistema de meio ambiente e geografia de Niterói, meteorologia aplicada a queimadas, os aspectos nocivos das queimadas e a atuação do Corpo de Bombeiros em incêndios.

Instrução – O bombeiro reformado Jair Ribeiro, 56 anos, é um dos instrutores do curso. Há seis anos na Defesa Civil atuando no Nudec, ele destaca que um dos aspectos que mais chamam a atenção na capacitação é que os participantes passam a ter uma maior percepção do risco em diversas situações.

“Esses conhecimentos trazem para os voluntários uma mudança comportamental grande. O trabalho de minimização de desastres é muito importante, principalmente, no que diz respeito às ações multiplicadoras da perda da vida por falta de conhecimento. É gratificante ver pessoas de diferentes profissões e idades em busca de um objetivo comum, que é ajudar ao próximo”, conta Jair, lembrando episódios como o de um aluno do curso que conseguiu socorrer o pai, com sintomas de enfarte, com as técnicas de massagem cardíaca que aprendeu nas aulas.

Voluntários – E quando o assunto é ajudar ao próximo, Sônia Batista, 63 anos, se destaca. Com vitalidade e dedicação que impressionam, a capixaba mora em Niterói há quase 19 anos e participou do primeiro curso de capacitação da Defesa Civil em 2017. Desde então, não parou mais. Agora, Sônia integra a equipe de apoio do Nudec Queimadas. O trabalho voluntário, ela conta, proporcionou experiências inesquecíveis.

“Fui vítima de um atropelamento e tive um acidente grave de carro. Esses momentos difíceis contribuíram ainda mais para que eu me dedicasse a ajudar o próximo, a ter uma noção de como se pode socorrer e ajudar uma pessoa em situações como essas. Aprendi muito, muito mesmo com os cursos e, em 2018, tive a minha maior experiência ao participar como voluntária da Defesa Civil no acidente do Boa Esperança, na Região Oceânica”, revela Sônia.

Aos 27 anos, Glória Maria Szanto é estudante e trabalha como babá e cuidadora de idosos. A ideia de se inscrever no curso partiu da possibilidade de aprender técnicas de primeiros socorros e de estar mais perto da natureza.

“Tem sido uma experiência maravilhosa e surpreendente. Percebi ainda mais o quanto o trabalho em equipe é fundamental. Com certeza, sou um ser humano melhor depois de passar por essas experiências. Quero continuar nos cursos”, diz entusiasmada.

Serviço – O curso é ministrado por módulos, e para participar é preciso se inscrever no site da Defesa Civil de Niterói (www.defesacivil.niteroi.rj.gov.br), na área de cadastro de voluntários e preencher um formulário. Os cursos também são divulgados pelo Facebook da Defesa Civil e da Prefeitura de Niterói.

Fonte: http://www.ofluminense.com.br/pt-br/cidades/defesa-civil-capacita-volunt%C3%A1rios

pordefesacivil

Semana de Meio Ambiente de Niterói

No dia 05 de junho, Dia Mundial de Meio Ambiente, a Defesa Civil de Niterói através do Diretor de Minimização Engenheiro Ambiental Allan Sturms, apresentou a palestra cujo o tema foi “As Ações da Defesa Civil de Niterói para a Prevenção de Queimadas, sobre as ações de prevenção da Defesa Civil de Niterói e sua relação na cooperação para a resiliência do ambiente natural do município, como também a importância da participação da população nas ações de prevenção para a preservação das matas e Unidades de Conservação.
Os projetos citados foram:
-Núcleo de Defesa Civil contra Queimadas
-Ronda Preventiva contra Queimadas
-Serviços e Operações com Drone
-Defesa Civil Itinerante
-Núcleo de Defesa Civil
-Defesa Civil na Escola
-Aplicativo AlertaDCNit e SMS
A palestra foi realizada no Solar do jambeiro e fez parte da Semana de Meio Ambiente de Niterói realizada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, com o tema: Poluição do Ar: podemos ser mais com menos.
pordefesacivil

Defesa Civil nas Escolas

Entre os dias 05 de abril a 31 de maio de 2019, no período da manhã, os 37 alunos do 6º ano da E. M. Alberto Francisco Torres participaram do projeto Praticando Defesa Civil nas Escolas, que contou com 08 encontros semanais.

Durante os encontros, os agentes de defesa civil Elmer Baldez, Giovanna Tristão e Jair Ribeiro ministraram as aulas referentes à voluntariado, cidadania, teoria de riscos e desastres, meio ambiente, meteorologia, incêndio e
rota de fuga. No último encontro, que ocorreu no dia 31/05/2019, houve o Simulado de evacuação, que contou com a participação não somente dos alunos do 6º ano, mas também do 7º e 8º anos, totalizando cerca de 100 alunos.

O Simulado de evacuação contou com a ajuda dos professores, diretoria e secretaria da escola, os agentes de defesa civil Elmer Baldez, Giovanna Tristão e Yasmim Rodrigues.

 

pordefesacivil

Conversando sobre desastres

Na sexta feira 10.05, a equipe de Minimização e Desastres da Defesa Civil de Niterói visitou o Espaço da Ciência Viva, na Tijuca para conhecer o projeto “Conversando sobre Desastres associados a Deslizamentos” que faz parte do Projeto de Educação para Redução de Desastres Associados a Deslizamentos de Terra, do professor Dr. Marcos Barreto de Mendonça, professor associado da UFRJ.

Durante a visita, os alunos de extensão do projeto apresentaram a oficina e mostraram uma maquete que remete a um cenário propício a deslizamento de terra. A visita teve o objetivo de aperfeiçoar as ferramentas de ensino para os projetos: Praticando Defesa Civil nas Escolas e NUDECs (Núcleo de Defesa Civil), visando trazer um meio mais lúdico de compreensão da dinâmica dos deslizamentos para a população.

 

pordefesacivil

Balanço das chuvas

Balanço sobre as chuvas

Desde as chuvas da última semana, as equipes da Defesa Civil e Geotecnia estão dando sequência prioritária às solicitações que deram entrada desde a madrugada de terça-feira (09/04). Na quarta-feira (10/04) e quinta-feira (11/04) houve o aumento expressivo no número de chamados, sendo estes principalmente relacionados a deslizamentos, deslizamentos com desabamentos, queda de blocos e queda de árvores.

As ações emergenciais de vistorias focaram no isolamento das áreas de risco e interdição de imóveis quando necessário, orientação aos moradores e encaminhamento às políticas de assistência do município em conjunto com a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, dentre as demais ações realizadas com outros setores da administração pública.

Foram registradas diversas solicitações as quais foram classificadas mediante suas criticidade usando de critérios como impactos das ocorrências, histórico do local, magnitude do evento e aparente risco iminente. Utilizando como base essa classificação preliminar encaminhamos os casos analisados como mais graves para atendimento imediato, tendo sido atendidas mais de 250 solicitações no município nesses dias.

Os bairros com maiores registros de ocorrência foram respectivamente: Fonseca, São Francisco, Caramujo, Cubango, Santa Rosa, Engenhoca, Largo da Batalha, Baldeador, Maceió e Ponta D’areia.

A Secretaria de Defesa Civil e Geotecnia seguirá com os atendimentos e solicita a população para que ao entrar em contato para solicitação de vistoria, informe o nome, telefone e endereço completo com referência. A Defesa Civil pede que a população acompanhe os canais de comunicação da secretaria e da Prefeitura de Niterói. O Município conta com plantão 24h de monitoramento meteorológico, com envio detalhado de informações sobre a previsão do tempo e de avisos através do aplicativo Alerta DCNIT e SMS (40199).

 

pordefesacivil

Curso básico de primeiros socorros no Projeto Grael

A Defesa Civil de Niterói juntamente com o GAR – Grupo Ação Resgate que é parceiro da Defesa Civil, realizou nesta quinta – feira 21/02 um curso básico de primeiros socorros para instrutores do Projeto Grael.

Foram ministradas aulas teóricas de suporte básico de vida, procedimento de RCP (Reanimação Cardiopulmonar) desde observação dos primeiros sinais até o procedimento final, chamando socorro e dando os primeiros suportes como por exemplo, a massagem cardíaca. Uma aula prática com bonecos de RCP e desfibrilador para efetuar a prática.

Cerca de 15 instrutores do Projeto Grael foram capacitados em suporte básico de vida

A secretaria de Defesa Civil agradece a parceria dos Instrutores do GAR, Tiago Silva Gomes, Bruno César Alcântara e Ronald Felipe do Nascimento Lima.

 

 

pordefesacivil

Como evitar incêndio por curto em casa

De acordo com instituições ligadas à área, os números de acidentes de origem elétrica vêm aumentando no País. Entre 2013 e 2017, esse tipo de ocorrência teve aumento de 33.6%, segundo a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade. O secretário municipal de Defesa Civil de Niterói, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Walace Medeiros, aponta os principais cuidados a serem tomados em relação à rede elétrica e procedimentos de segurança para evitar acidentes.

Nessa semana, a Defesa Civil de Niterói foi acionada para vistoriar um imóvel após uma ocorrência de incêndio possivelmente causado por aparelho celular carregando de forma incorreta. Qual a recomendação para evitar esse tipo de acidente?

Nunca, em hipótese alguma, fazer ligação enquanto o aparelho está carregando. O melhor local para carregar o celular é em cima de uma mesa de madeira, sem tecido, ou no chão. O essencial é que o telefone fique sempre afastado de você e longe de materiais inflamáveis.

Qual a outra recomendação para evitar ocorrências de incêndio relacionadas à rede elétrica?

Todo material elétrico tem potencial para propagar chamas em função de um curto circuito, que gera calor necessário para início do incêndio. Por conta disso, a principal recomendação é nunca deixar materiais elétricos em contato com materiais inflamáveis. Por exemplo: não se deve colocar aquele pano em cima do forno microondas enquanto o aparelho estiver ligado.

Quais são os outros motivos recorrentes causadores de incêndios por curto-circuito?

Nós temos também um histórico de incêndios gerados por ar-condicionados, porque, via de regra, perto do ar condicionado ficam as cortinas. Quando o ar-condicionado entra em curto circuito, estando separado da cortina, ele pode entrar em chamas, mas o cidadão consegue desligar a rede elétrica e o problema se resume ao aparelho. Para evitar que o fogo se propague, é importante afastar a cortina do ar-condicionado o máximo possível. Muitas pessoas colocam a cama encostada na tomada, que, sendo usada ou não, gera uma área de risco para um possível incêndio. O ideal é que a cama seja afastada da tomada.

Caso o cidadão se depare com uma situação de princípio de incêndio após curto-circuito, como proceder?

O primeiro passo é sair do local, se afastar da fumaça, que é tóxica, desligar o disjuntor da casa e ligar para o Corpo de Bombeiros. Só depois, se houver condição de não respirar fumaça, afastar os materiais inflamáveis. Tirar de perto cama, móveis. Depois que a rede elétrica for desligada, é muito importante ligar para o 193.

É muito comum o uso dos famosos “benjamins” para ligar vários aparelhos na rede elétrica. São seguros?

Tomadas residenciais não são feitas para serem usadas por mais de um equipamento ao mesmo tempo e não são dimensionadas para colocar o “benjamim”, onde se ligam três, quatro aparelhos. Esse tipo de adaptador sobrecarrega a rede e gera um potencial curto circuito na instalação.

Fonte: O Fluminense

pordefesacivil

Comunidade São José recebe Defesa Civil Itinerante: Um Dia De Prevenção No Seu Bairro

A manhã de sábado (26) foi de atividades de prevenção de riscos e sustentabilidade ambiental na comunidade São José, no Caramujo, Zona Norte de Niterói. O projeto Defesa Civil Itinerante: Um Dia De Prevenção No Seu Bairro teve oficina de plantio de mudas, distribuição de material informativo sobre queimadas e prevenção de riscos, simulação de erosão de solo e atividades de prevenção de acidentes domésticos.

O trabalho, uma parceria entre a Defesa Civil de Niterói, o Trabalho Técnico Social de São José e a Secretaria Executiva, teve como objetivo fomentar a participação comunitária e esclarecer conceitos sobre percepção de risco hidrológico e geológico, uso e ocupação regular do solo, preservação ambiental, desmatamento e descarte correto do lixo com vistas a minimizar os impactos ambientais. A ação vai contar ainda com exposição de capim vetiver, uma vegetação usada para controle da erosão e na recuperação de áreas degradadas.

A comunidade São José está passando por obras de urbanização e infraestrutura. A área de intervenção é de 32,4 hectares e envolve cerca de 1.500 famílias. A Prefeitura de Niterói está investindo R$ 44.968,154,66 em contenções de encostas, pavimentação e saneamento na localidade.

 

pordefesacivil

Prefeitura de Niterói apresenta Plano Niterói Mais Resiliente

A Prefeitura de Niterói realizou uma reunião, nesta quinta-feira (20), para apresentar as primeiras medidas do Plano Niterói Mais Resiliente, um planejamento com ações nas áreas de gestão de riscos, fortalecimento da Defesa Civil, moradia e qualidade habitacional, política de resiliência e participação da sociedade, e fiscalização e interdições. A reunião, que foi conduzida pelo prefeito em exercício, Paulo Bagueira, contou com a participação de representantes da Defesa Civil Estadual, Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Corpo de Bombeiros e de várias secretarias municipais.

O programa terá investimento de R$ 424 milhões nos próximos dois anos. O objetivo é intensificar as ações de fiscalização na cidade, fortalecer a capacidade de prever situações de crise e de monitorar áreas de risco, e estimular o desenvolvimento urbano ordenado.

“É fundamental para a execução do Plano Niterói Mais Resiliente a cooperação entre os diferentes setores da administração municipal e a integração com o Governo do Estado, especialmente com os Bombeiros, Defesa Civil e Inea. Este plano reafirma o compromisso da gestão com ações de prevenção e mitigação de riscos atuais e futuros, reforçando as políticas de prevenção e de respostas eficazes a desastres. Muitas dessas ações já estão em andamento e serão lançados, ainda este ano, os primeiros editais das novas obras de contenção de encostas”, explica o secretário municipal de Defesa Civil, coronel Walace Medeiros, responsável pela coordenação do plano.

As obras fazem parte do eixo Gestão de Riscos e serão realizadas em 57 pontos considerados prioritários – um investimento de R$ 200 milhões. Outros projetos da área são a ampliação da cobertura de sirenes, o plantio de 30 mil mudas de árvores em áreas de encosta e a implantação de um radar meteorológico em Niterói para aprimorar a previsão do tempo.

A área de fortalecimento da Defesa Civil contempla a criação da Secretaria de Defesa Civil e Geotecnia e a contratação de novos profissionais para o órgão. A intensificação de interdições em áreas protegidas e a demolição de 300 casas em locais de risco fazem parte do eixo Fiscalizações e Interdições, enquanto o eixo Moradia e Qualidade Habitacional inclui a construção de mais 2 mil unidades habitacionais até o final de 2020 e a implantação do Arquiteto Social, programa em que um profissional vai avaliar as condições de moradia de imóveis em áreas regularizadas ou em processo de regularização fundiária.

Já na área da Política Municipal de Resiliência e Participação da Sociedade, os projetos incluem a implantação da Política Municipal de Proteção e Defesa Civil, implementação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa Civil, a expansão dos núcleos comunitários de 52 para 100 Nudecs, a introdução da disciplina de Defesa Civil e Resiliência no currículo da Rede Municipal de Educação, a criação de aplicativo para voluntários, a ampliação da divulgação do app Alerta DC Nit, e a celebração de um convênio com o Corpo de Bombeiros para que, através do Regime Adicional de Serviço (RAS), o efetivo desses profissionais chegue a quinze por dia na cidade.

“O Plano Niterói Mais Resiliente é um planejamento completo e que atende os requisitos estabelecidos na terceira conferência mundial da ONU para a Redução de Riscos de Desastres, realizada em Sendai, no Japão, em 2015. É uma iniciativa essencial para a educação, prevenção e gestão de riscos e vai contribuir para uma sociedade mais resiliente”, afirmou o diretor da Escola de Defesa Civil do Estado, coronel Márcio Romano.

O representante do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) também elogiou a iniciativa e disse que o Niterói Mais Resiliente representa um grande avanço na área de Defesa Civil.

“Todos os projetos do plano vão permitir uma capacidade de resposta ainda melhor do Município. O radar, por exemplo, vai otimizar o monitoramento das condições climáticas e permitir que os avisos sejam dados com maior antecedência, não apenas para a cidade de Niterói como para todo o Leste Fluminense”, destacou o chefe do Setor de Emergências Ambientais do Inea, coronel Wilson Duarte.

A reunião também contou com a participação do diretor operacional da Defesa Civil Estadual, coronel Marcos Albino e do representante do Corpo de Bombeiros, tenente coronel Gabriel Martins Lopes, além dos secretários municipais Axel Grael (Executiva), Bira Marques (Governo), Alexandre Costa (Assistência Social), Giovanna Victer (Planejamento), Beto da Pipa (Habitação), Vicente Temperini (Obras), o presidente da Emusa, Reinaldo Pereira, o procurador-geral do Município, Carlos Raposo, e o coordenador do Gecopav, coronel Wilton Ribeiro.

Investimentos – Desde 2013, a Prefeitura de Niterói investiu mais de R$ 200 milhões em obras de contenção de encostas em 70 áreas apontadas como prioritárias por estudos técnicos. Nestes seis anos, foram entregues mais de 2 mil casas populares. O município também investiu em redes de pluviômetros, estações meteorológicas e na estruturação da Defesa Civil.

A Prefeitura de Niterói também passou a arcar com os custos de manutenção e operação do sistema de alertas e alarmes por sirenes, em 2016, quando o Governo do Estado anunciou que não poderia custear o serviço.

 

Fonte: http://www.niteroi.rj.gov.br

pordefesacivil

Defesa Civil participa de workshop do Inea

Na última quarta feira 31.10 aconteceu um Workshop no Inea, sobre os 10 anos do sistema de alertas de cheias do órgão.
O sistema é um dos mais importantes no Estado e está relacionado a emissão de alertas e monitoramento de transbordamento de rios. Niterói possui duas estações, na Engenhoca e no Fonseca (no batalhão) e tem sido uma grande referência para a gestão de riscos relacionados a alagamentos dentro das ações de defesa civil. Ele fornece informações na linha do tempo, possibilitando uma tomada de decisão mais assertiva junto aos procedimentos operacionais necessários.

Além disso, o sistema está disponível para toda população via internet e pela plataforma do What’sApp a partir do cadastramento pelo celular.

No Workshop foi apresentado o programa e as boas práticas do município relacionados a gestão de riscos de desastres; a criação do CMO da Defesa Civil de Niterói (Centro de Monitoramento e Operações), serviço meteorológico criado em dezembro de 2015, que tem sido fundamental para emissão de alertas e execução dos planos de contingência da secretaria; intenção da gestão pública da cidade em realizar aprimoramento constante das suas ferramentas de monitoramento: existência das estações meteorológicas, aumento da rede de pluviômetros automáticos, funcionamento do sistema de alerta e alarmes por meio de sirenes.

“Citamos a parceria da Defesa Civil municipal e do Estado e do Inea e, o interesse do município em adquirir um radar meteorológico, a fim de, melhorar a cobertura de obtenção de dados para os nossos técnicos em complementação aos radares do Inea já existentes.” afirma o Secretário de Defesa Civil de Niterói Walace Medeiros.